Ubud Zen – Yoga e meditação

Deixamos Ubud para o final da nossa viagem porque aqui encerramos nosso mood praia e porque não havia quem não dissesse que aqui é que chegaríamos ao melhor de Bali!

Imagina uma cidade com uma atmosfera gostosa de paz, amor e comidinhas cheirosas em pratos bonitos. Coloca arrozais em volta, uns patos andando soltos, macacos mil e muito artesanato e tcharam…isso é Ubud.

Eu não sei dizer se é o melhor de Bali, mas fatos curiosos aconteceram conosco lá. Primeiro não conseguíamos parar de andar pela cidade. Voltas e mais voltas entrando em todas as lojinhas, restaurantes e ruelas possíveis. Fizemos 2 passeios com motorista, recorde de todos os tempos. Por fim, mas não menos importante, fiz exercícios em uma viagem.

Certo, você que não me conhece bem talvez não tenha entendido, mas não faço exercício nem em casa, que dirá em Bali! Um verdadeiro milagre aconteceu! Rá-rá!

Dito isso, vou começar contando do lugar mais estranhamente procurado por turistas que vão passar uns tempos em Ubud: o Yoga Barn.

Expressinha Ubud Yoga (2)

Seja mais Zen!

O Yoga Barn é um centro de…yoga. E muito mais. O lugar é mesmo incrível, uma espécie de fazenda no meio da cidade com estúdios para aulas, um centro de tratamento holístico e ayurvédico, jardins e plantações, um restaurante suuuuper natural e até mesmo uma mini pousada. A pousada é mais voltada para o pessoal que vai para retiros e tratamentos longos, mas nada impede que, pagando, você se hospede lá. Os preços variam de 25 dólares (em quarto coletivo) a 80 dólares (em suíte com café da manhã) a diária.

A entrada no espaço é livre e uma verdadeira multidão tranquila passa por ali todos os dias em busca das aulas de yoga que ocorrem sem parar das 7 da manhã às 8 da noite, com exceção dos domingos que tem apenas uns 8 horários de aula (?!?!), dos cursos sobre os mais diversos temas holísticos e esotéricos que se pode imaginar, de comida saudável, de amigos.

Se você estiver meio durango ou não quiser pagar por essas coisas, você pode ficar passeando pelo espaço, respirando paz, comendo coisinhas saudáveis ou praticando nos jardins e decks sua próprias yoga ou meditação. Não se preocupe tanto, nada custa muito caro. Você só precisa dar uma olhada na programação e escolher o que quer. Já se você for como a grande maioria e quiser apenas provar umas aulinhas de yoga, pode pagar por aulas individuais, cada vez que participar, ou pode ainda fazer uns cartões semanais ou mensais com desconto. Qualquer dessas opções é mais barata que no Brasil. Sério.

Uma aula custa cerca de 12 dólares, 3 aulas custam 30 dólares, 20 aulas custam 120 dólares (em 2014). Em qualquer dia e qualquer horário. Sério. E você tem ainda a opção de, por 250 dólares, fazer quantas aulas quiser no mês e sim, tem gente que faz 3 aulas por dia. Faz as contas ai. Sério.

Yoga Barn Ubud

O Estúdio onde fiz aula:. Foto do site odo Yoga Barn.

Eu fiz como todo mundo, fui dar uma olhada na aula de yoga. Fui lá, peguei a programação do mês e quase pirei. Demorei 2 dias só para escolher a que aula eu queria ir (a preguiça ajudou também). O que, afinal, era a modalidade Flow? E Hatha Flow, Slow Flow, Vinyasa Flow, Core Flow? Tudo isso só de manhã! Ainda tinha Yin Yoga, Woman’s Balancing, Qi Gong, Restorative, Estatic Dance. Onde eles esconderam a simples Hatha Yoga?

Admito que desconhecia o enorme leque de modalidades e ainda tinha 2 problemas sobre os quais eu não tinha pensado até chegar lá: nunca imaginei yoga em inglês. Pode parecer loucura, mas sei lá, para mim yoga já era uma coisa de dentro para fora e sempre gostei mais de ver do que ouvir as instruções até porque não conhecia nada de anatomia. Não foi fácil no meu aprendizado entender o que eram ísquios e nunca sequer cogitei aprender como se diz ísquios em inglês. O outro problema é que eu sou apegada. Acho que só gostei de yoga porque minha primeira professora era incrivelmente fantástica (obrigada Márcia!). Me agarrei tanto ao modo dela dar aula que até hoje não consigo me sentir plenamente feliz com nenhum outro professor, embora, claro, todos os que tive até agora tenham sido maravilhosos.

Fui então naquilo que gosto: Iyengar Yoga. Cheguei 15 minutos antes da aula e parecia que não haveria ninguém. Pensei que as modalidades “novas” deviam fazer mais sucesso, mas até a aula começar apareceram quase 40 pessoas. Gente de todo o mundo, de todos os níveis de aprendizado, de todas as idades. Gente procurando saúde e equilíbrio. Eu que fico feliz só de estar num espaço com gente que traz um pedacinho de outro mundo para perto de mim, que sonho em ser como aquelas pessoas de 70 anos que se esticam 2 vezes mais que eu, estava realizada. E eu, que posso me disfarçar no meio de qualquer rebanho como ninguém, posso não ter entendido todas as instruções, mas fiz tudo que me mandaram e fui a única que admitiu que não conhecia um mantra que seria entoado e que pegou a letra com a professora. Como absolutamente ninguém entoou o mantra até a parte do OM, conclui feliz que minha participação foi mais do que satisfatória… Não precisa levar nem o mat, eles têm tudo.

Yoga Barn Ubud

Um pouco do Yoga Barn. Foto: Ashley Abroad!

Os estúdios são maravilhosos, abertos ou com vidros, envolto pela linda vegetação de Ubud, grandes para toda aquela gente, tem banheiro limpinho com chuveiro, enfim, tudo o que é preciso. A aula foi incrível e eu me arrependi de não ter ido todos os dias, sai com tanta energia que poderia voar! E, voltando as dificuldades linguísticas: não se preocupe, os professores estão acostumados com aquela mistura toda e repetem (às vezes gritam) as instruções até todo mundo fazer. E depois que o primeiro faz direito, é só imitar, né? ;) Resumindo: pode ir até sem falar nada de inglês.

E aquele monte de tipos de yoga? Também não tem com que se preocupar. Se dê um tempo caminhando por ali e você vai lendo os panfletos, vendo as aulas rolando, vendo o pessoal praticando e vai entendo as modalidades, os estilos dos professores, vai descobrindo workshops que te interessam. No final, você vai achar que a estadia foi curta porque no fim de semana tinha um retiro maravilhoso e rápido para meditação… sem falar nos pacotes ayurvédicos, que ainda vou voltar para fazer!

O único senão que tenho quanto ao espaço, é que, sendo aberto e atraindo tanta gente, também atrai algumas pessoas não tão legais. Mas quanto à isso, basta ter a cabeça no lugar e refletir bem antes de se impressionar. Como em qualquer outra coisa na vida.

Yoga Barn Ubud

O pessoal fica assim, praticando livremente lá no deck…

De qualquer forma, vale a pena para qualquer um que goste de yoga e quanto mais aprofundado no assunto (ou outros assuntos hindus, esotéricos ou saudáveis) creio que melhor proveito terá e mais tempo será necessário na cidade. Sugiro não deixar Ubud em menos de 5 dias para conseguir aproveitar um terço de tudo que você poderia. Se quiser mesmo dedicação e estudo, pelo menos 2 semanas.

Aliás, apesar de Ubud toda ter o clima para o yoga lifestile, a Jalan Hanoman concentra tantas lojas de artigos para yoga e restaurantes vegetarianos e naturebas que você pode ser levado a crer que todo mundo na cidade é adepto dessa filosofia, o que nem é verdade. Uma delícia!

Tudo isso e falei apenas do Yoga Barn, mas Ubud tem muito mais. Não é à toa que Elizabeth Gilbert foi passar o “rezar” por lá. Para começar, os tratamentos ayurvédicos e as massagens têm inúmeras excelentes opções. Há diversos tipos de retiros, templos para meditação, gurus para consultas e tudo o mais. Ao gosto do cliente.

Ubud Yoga

Uma das muitas lojinhas de cositas para yoga! Foto: Baliyogashop.

Um dos lugares mais famosos e procurados é o Bali Botanica Spa. São vários tipos de tratamento, de massagens à alinhamentos energéticos, tudo com a tradicional sabedoria local. É um dos lugares mais “arrumadinhos”, super limpo, com aquele clima de relaxamento desde a entrada e, claro, preços um pouquinho mais salgados, mas ainda surrealmente baratos. Fica um pouco fora do centrinho da cidade, mas é perto. Nosso hotel era do lado do Spa, dava tranquilamente para ir à pé, mas simplesmente não tinha horário nenhum disponível, não apenas porque estava lotado, mas também por conta de um importante feriado que pegamos lá e vou contar depois. Fica a dica para marcar com antecedência, se possível antes mesmo de sair do Brasil. Para mim só resta voltar. =D

Para terminar, deixo aqui uma dica de um blog dedicado à contar experiências de viagem relacionadas à yoga: The Yoga Nomads. Eles são um casal que largou a vida corporativa (juro que copio quando descobrir como se faz para ter esse desapego) e foi viajar o mundo conhecendo mais de yoga e dando aulas. Tem reviews de Ubud, do Yoga Barn, do Radiantly Alive, o segundo maior centro de yoga de Ubud  e de vários outros lugares pelo mundo. É bem interessante.

No próximo post dou os caminhos por Ubud para quem só quer mesmo passear.

Se você teve uma experiência legal também, divida com a gente!

Ubud Yoga

Do Yoga!

Mais sobre a Indonésia em:

Bali – Centro e Sul da Ilha – Praias, Compras e Templos

Bali – Uluwatu/Balangan – La Joya Biu Biu

Ubud – Onde comer e comprar bem

Ao redor de Ubud – Parte I

Ao redor de Ubud – Parte II

Ubud – Celebrações Religiossas – Gulungan e Kuningan

Ubud – Onde ficar e o básico para conhecer a cidade

Nusa Lembongan

Gili Trawangan – Um pedaço do Paraíso

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. micolaan disse:

    My wife and I really enjoyed the trip 2d / 1n with ary trekking and our guide Alawi. Very helpful on trips to the mountains and interesting rinjani very beautiful experience we were very pleased with ary trekking because we get a good service during a trip to Mount Rinjani
    Our guide was very strong and friendly and they just walked a pair of sandals. Our amazing they were so strong. Prices for a hiking pole and a certificate is not too expensive we were very pleased with the company ary trekking

    Thank you very much Ary Trekking. we promise with a group will come back to Lombok again to the Mount Rinjani.

    Thanks ary trekking.

  1. dezembro 15, 2014

    […] Calculei que 5 noites e dias inteiros seriam suficientes para o que gostaríamos de fazer. Hoje sugiro que se você puder, fique pelo menos 1 semana. Mais até, se quiser aproveitar tudo de zen que essa cidade traz em si (já contei um pouco sobre o Yoga Barn e o Botanica Spa aqui). […]

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: