Roteiro do Trekking para o Everest Base Camp

Esse é o último post sobre a montanha mais alta do mundo e traz o roteiro do trekking para o Everest Camp mais comum e como é o dia a dia. Além de te deixar mais preparado psicologicamente para o que vai enfrentar, não importa se vai com agência, guia ou sozinho, mas também te deixa com a faca e o queijo na mão para fazer o caminho de forma totalmente independente, se você for mais ousadão. Legal, né?

Eu já contei nesse post aqui que até uma molenga como eu conseguiu fazer esse trekking, ou seja, que o Everest Base Camp é acessível à você também, já contei nesse post como funciona o trekking com agência, guia privado e de forma independente, todos os preços e tudo o mais, nesse post aqui o que levar para o trekking, onde comprar e como economizar, nesse post, qual seguro contratar e, por fim, como evitar o mal de altitude e outras doenças nesse post aqui. Você já tem quase tudo para partir para a sua aventura!

Roteiro do Trekking para o Everest Base Camp – Básico

Nós fizemos o roteiro do trekking para o Everest Base Camp básico, o tradicional. Existem outras rotas além desta e algumas seguem o básico e depois desviam para outras paradas em vilas, monastérios ou passes (passagens entre montanhas).

A rota via Gokyo, uma região de lagos, é a segunda mais famosa e também é bem  movimentada, mas tem uma passagem um pouco mais complexa (o Cho La Pass) e não sei se deve ser feita sem guia.

E tem ainda o trekking pelo Three Passes, mais difícil, o que sai de Jiri e o que vai até o antigo Base Camp, um pouco mais longe.

O roteiro básico é feito em 14 dias (12 de caminhada) e é assim: Kathmandu – Lukla – Phakding – Namche Bazaar (2 noites) – Tengboche – Dingboche (2 noites) – Lobuche – Gorak Shep/Base Camp/Kala Pattar – Periche – Namche Bazaar – Lukla – Kathmandu.

Mapa Everest Base Camp Trekking

Mapa do trekking da http://gurukripatoursandtravel.com.np/everest-base-camp-trek/.

O caminho todo tem indicações e, de qualquer forma, tem muita gente para você seguir ou perguntar. Você pode fazer o trekking em mais dias, no ritmo que quiser, mas diminuir o tempo é complicado, pois toda vez que subir mais de 600 metros tem que fazer uma parada para aclimatação, evitando o mal de altitude.

Dia-a-da no Roteiro do Trekking para o Everest Base Camp.

Dia 1: Kathmandu. Pelo menos um dia de descanso do vôo para Kathmandu e para algumas compras necessárias para o trekking.

Altitude: 1350m

Tempo de caminhada: somente o que você bater perna em Kathmandu

Preços: tudo baratinho.

Dia 2: vôo de Kathmandu para Lukla. Os vôos são super cedo, entre 6h e 7h30. Nós tomamos o café da manhã  lá em Lukla. Na sequência já saímos caminhando para Phadking, uma vila pequena e charmosinha. Nesse primeiro dia andamos 2h30, praticamente apenas no plano e descidas. Muito, muito tranquilo. A paisagem é bem típica de montanha, com muitas árvores e rios cristalinos e se estiver sol, faz calor. O clima em geral é de muita animação! Todos começando, ainda cheios de pique e bem descansados. Embora já estejamos acima de 2400m, não se sente muito a altitude.

Nós dormimos no Beer Garden Lodge. O lodge é ok, ficamos num quarto confortável com banheiro privativo.Eu honestamente achei o dono meio grosso, mas nada grave. Esse lodge tem chuveiro quente, mas o aquecimento é por energia solar, então pode ser que funcione, pode ser que não. Para nós não funcionou.

Nesse primeiro dia a parada também pode ser em Mojo. Também é uma pequenas vilas com algumas opções de lodges, a diferença vai ser a quantidade de horas que você vai andar. Phadking é a primeira parada.

Altitude: Lukla – 2840m e Phadking – 2652m.

Tempo de caminhada: 2h30

Preços:

Comida – em torno de 6USD por prato

Água – 1,2USD

Outras bebidas – 1,50USD, cerveja 6USD

Net – 5 USD (grátis nos cafés)

Carregar eletrônicos – 5USD por hora (grátis no lodge)

Quarto – não tenho valor certo para os quartos porque no nosso caso estava incluso no pacote da Access Nepal, mas os quartos ficavam sempre em torno de 20 e 50 USD, com alguns mais arrumados e mais caros.  Não é muito fácil fazer uma reserva independente, pois a maioria dos lodges não reservam pela internet e comprometem boa parte dos quartos com as agências, mas chegando lá sempre dá para encontrar um lugar (dizem).

 

Nepal Everest Base Camp

A carinha dos lodges, restaurantes e bakerys em Phadking é essa ai.

 

Dia 2: de Phadking até Namche Bazaar. O segundo dia é de 4h30 a 5hs de caminhada. Pela manhã andamos 3hs até Jarsolle, onde paramos para almoçar. O caminho é fácil e lindíssimo e fizemos várias paradas para fotos. Jarsolle é o último lugar com opções para almoçar antes de Namche, você precisará parar aqui ou antes.

Depois do almoço pegamos 2hs de subida ininterrupta. Achei essa uma das partes mais difíceis do trekking, pois parece que nunca vamos parar de subir. Como eu sou meio molenga, achei bem puxado, mas sobrevivi.

Aqui passamos por várias pontes suspensas até a Hillary Bridge, que fica há 800 metros do chão. Dá um frio na barriga quando vemos uma ponte quebrada abaixo dessa e no dia em que passamos por ali o tempo virou de repente e ventava muito, tinha neblina, parecia cena de filme de suspense!!!

Fique esperto ao passar nas pontes, pois tem muitos yaks, cavalos (até selvagens!) e porters carregando muuuita coisa, então você precisa avaliar o lado contrário antes de entrar na ponte e ver se vai conseguir passar.

Namche é uma cidade mesmo. Tem vários restaurantes, lodges, cafés, lojinhas e bares, inclusive o Irish Pub mais alto do mundo (e o mais legal, com boa música, pipoca de graça, mesa de bilhar, breja 6USD quente e uma camiseta bem legal para levar de lembrança)! Aproveite para comprar o que tiver faltando, usar internet free ou carregadores no Irish Pub e nos cafés (se consumir algo, claro).

Nós ficamos no The Nest, num quarto com banheiro privativo e chuveiro. O chuveiro era 8 ou 80, gelado ou pelando, mas deu para tomar banho. Achei a comida desse lodge a melhor de todo o trekking. Peça o chicken snitzel, um frango a milanesa bem bom.

Altitude: Namche Bazaar – 3440m.

Tempo de caminhada: 5hs

Preços: 

Comida – em torno de 5USD por prato

Água – 1USD

Outras bebidas – 1,50USD, cerveja 6USD

Net – 5USD (grátis nos cafés)

Carregar – 5USD por hora (grátis no lodge)

Banho (se não tiver no lodge) – 5USD

Nepal Everest

Chegada em Namche Bazaar no Trekking paara o Everest Base Camp.

Dia 3: aclimatação em Namche Bazaar. No dia de aclimatação fizemos uma subida “leve” em Namche. Primeiro uma subida de 30min até uma homenagem aos sherpas e um miradouro, depois mais 1h30 de subida até um Lodge que fica para cima do heliporto. Eu senti a altitude e as pernocas, mas não é tão puxado e a vista é linda.

Na volta nós paramos no museu sherpa. Ninguém quis entrar porque parecia meio simplão, e era. Há uma réplica de uma casa, que não impressiona muito, mas há uma sessão de fotografias que achei super legal. Dá para ter uma boa ideia da cultura com fotos dos óculos de tecidos que eles faziam para proteger os olhos, de casamentos, de cerimônias, enfim dá um apanhado do passado e história dos sherpas. Também há uma galeria com todos aqueles que subiram o Everest, com um pouco da história de cada um. Eu achei que valeu a pena.

A tarde ficamos livres para passear, comer um bolo de chocolate, ver a vida na cidade.

Nepal Everest

Numa das montanhas do dia de aclimatação em Namche.

Dia 4: de Namche Bazaar até Tengboche. A subida para Tengboche tem 2h30 de caminhada pela manhã bem tranquila. Algumas subidas e descidas, mas nada puxado. A paisagem continua linda pelas montanhas verdinhas, casinhas e yaks. Depois do almoço, tem uma mega subida. Praticamente tão puxada quanto a da chegada em Namche. Fizemos em 2h30 e tivemos praticamente toda a tarde livre.

Em Tengboche ficamos no lodge Himalayen, que fica bem em frente ao monastério de Tengboche. O quarto era bem ok e a comida também era gostosa.

Todo dia entre 15hs e 16hs rola uma cerimônia no monastério que podemos assistir. Tem que esperar eles tocarem uma corneta avisando que vai começar, mas ficamos com medo de dormir e não ouvir ou de não ter lugar, então fomos para lá às 15hs e já estava lotado! Só que a cerimônia só começou às 16hs, então as pessoas foram indo embora, outras chegaram, a galera é meio sem noção, fica entrando e saindo, fazendo barulho, enfim… a gente ficou meditando e esperando.

Faz um frio absurdo dentro do monastério e todo mundo senta no chão, então vá com muita roupa.

Durante a cerimônia os monges tocam vários instrumentos, fazem várias orações, acendem milhares de incensos que fazem uma imagem linda quando eles entram no meio daquela fumaça e raios de sol. Eu achei maravilhoso e fiquei bem tocada pela beleza do lugar e do momento. No final eles comem doces que o pessoal leva para eles e depois distribuem para os que resistiram pela 1h30 ali. Eu peguei uma fortuna e fui embora toda feliz.

Tengboche é uma vila bem pequena e tem um clima muito bom e uma vista linda. Adoramos essa parada.

Altitude: Tengboche – 3870m.

Tempo de caminhada: 5hs

Preços: 

Comida – em torno de 6USD por prato

Água – 2USD

Outras bebidas – 5USD, cerveja 8USD

Net – a partir daqui só funciona o sinal geral da Everest. Você precisa comprar um cartão de 250MB e custa sempre 6USD.

Carregar – 6USD por hora

Banho (se não tiver no lodge) – 5USD

Nepal Everest Base Camp

De Tingboche num dia lindo rumo à Dingboche.

Dia 5: de Tengboche até Dingboche. Nesse dia foram 2hs de caminhada antes do almoço e depois mais 3hs, mas com subidas e descidas leves, boa parte plana e uma vista maravilhosa depois de cada curva.

Ficamos no Lodge Family, que era um pouco mais simples e sem banheiro interno, mas era confortável e tinha uma vista sensacional. Nós mudamos na segunda noite para um quarto com banheiro, mas como não tem encanamento, não acho que valeu a pena. Fique no compartilhado que tem sempre alguém limpando e colocando água para a descarga. O chuveiro à gás desse lodge é mara!

Dingboche é uma vila um pouco maior, com uns cafés e tal. Nesse dia nevou durante a tarde e o restaurante ficou muito gelado, foi difícil, mas o céu maravilhoso e cheio de estrelas depois da nevasca sobre as montanhas branquinhas ao redor, compensaria qualquer perrengue. Também vimos umas luzes piscando atrás das montanhas, super sinistro, mas o nosso guia garantiu que eram satélites.

Nos lodges as paredes são muito finas, então tem muito barulho, mas aqui a nossa noite foi difícil, com muita gente falando e roncando. Além disso, aqui começamos a sentir a altitude com mais intensidade, com dores de cabeça e dificuldade para dormir.

Altitude: Dingboche – 4410m.

Tempo de caminhada: 5hs

Preços: 

Comida – em torno de 6USD por prato

Água – 2.5USD (um abuso, uma vez que há uma estação de tratamento e engarrafamento aqui)

Outras bebidas – 4USD, cerveja 8USD

Net –  cartão de 250MB por 6USD.

Carregar – 6USD por hora

Banho (se não tiver no lodge) – 5USD

Nepal Everest Base Camp

Vista que você vai ter do trekking para o Everest Base Camp! Anoitecer em Dingboche.

Dia 6: aclimatação em Dingboche e subida até Island Peak. Nesse dia você pode descansar ou subir um dos picos ao redor : o Chukung ou o Island Peak. Eu não fui porque tinha dormido muito mal e não estava me sentindo bem. Meu grupo foi ao Island Peak, são 3hs de subida bem intensa, todos voltaram muito cansados, mas disseram que é bem lindo.

Eu fiquei passeando, fiz uma yoga para ver se ajudava na respiração, fui na estupa, numa bakery, essas coisas. O resto do dia descansei.

Nepal Trekking Everest

A vista lá do caminho para Island Peak. Essa foto é do nosso companheiro de trilha, o Damien.

Dia 7: de Dingboche até Lobuche. Esse é um dia de 4hs de caminhada relativamente fácil. Desde Dingboche o cenário muda, vai ficando mais árido, quase só pedras e montanhas. Fizemos uma rápida parada em Tulka, na metade do caminho, mas seguimos direto até Lobuche.

Nesse dia nevou e ventou bastante e isso dificultou a caminhada, porque ficou bem frio, molhado e tínhamos que prestar bastante atenção no caminho.

Ao chegar em Lobuche, todos passaram mal, uns piores, outros melhores, mas realmente a altitude aqui é difícil de conviver. O lodge Mother Earth era ok, mas o restaurante era absurdamente quente e eu mal aguentei ficar lá. Praticamente só descansei toda a tarde, no quarto. Dormi super mal, acordei toda hora, estava muito frio, foi o dia mais difícil para mim.

Altitude: Lobuche – 4910m.

Tempo de caminhada: 4hs

Preços: 

Comida – em torno de 8USD por prato

Água – 3USD

Outras bebidas – 5USD

Net –  cartão de 250MB por 6USD.

Carregar – 6USD por hora

Banho (de balde) – 5USD

Expressinha Nepal Trekking Everest

Eu na ida para Lobuche, em meio a vento, neve, neblina, tudo!

Dia 8: de Lobuche até o Everest Base Camp dormindo em Gorakshep . O grande dia!!! Com o dia bem mais bonito, seguimos por 3hs de caminhada até Goraksherp. A caminhada em si é fácil, com poucas subidas e descidas, mas é bem difícil por causa da altitude e do mal estar que já estava instalado desde Lobuche. Nessa parte do caminho todos estão num misto de excitação e esgotamento. Todo mundo quer chegar ao Everest, mas já está no limite das forças.

Em Gorakshep ficamos no Yet Resort, que de resort só tem o nome. Nosso quarto era simples, mas confortável e o restaurante era ok, com uma comida razoável, mas o banheiro era um gelo, não estava nos seus melhores dias de limpeza e de manhã a água estava toda congelada… Uma observação: nosso quarto era no primeiro andar e era quente na medida do possível. Os quartos do último andar eram muito frios. Não sei se ainda não estavam finalizados, mas parecia que não tinha forro. De manhã o pessoal que dormiu lá estava reclamando bastante e com as águas e coisas congeladas.

Cheguei muito, muito cansada e quase desisti, até porque eu não tinha aquele sonho de chegar ao Everest e só queria sobreviver. Decidi ir até o Base Camp porque depois de comer um Dhal Bhat me senti um pouco recuperada e confesso que quando vi a cara do pessoal, todos animadíssimos, até meu guia estava pura alegria com a nossa faixa de “tocamos o Everest” na mão, eu tive um sentimento de que eu tinha que ir.

O guia me explicou que eram entre 2hs e 2h30 para ir e o mesmo para voltar, mas que o caminho era quase 100% plano e fácil. Lá fui eu, no passo de uma tartaruga com uma perna só, fiquei muito enjoada no caminho, especialmente no pequeno trecho de subida, que era bem leve, mas para mim parecia um imenso obstáculo. No caminho esfriou muito, nevou, ventou, foi duro. Mas cheguei lá! A volta foi outro sofrimento, eu vomitei, tinha que andar muito devagar e parar toda hora, mas como o céu limpou, pelo menos estava mais suave.

Quando cheguei no lodge, nem comemorei nem socializei. Me levaram um prato de batatas e uma coca cola no quarto e lá fiquei até ir embora no dia seguinte.

Altitude: Everest Base Camp – 5364m e Gorak Shep – 5140m

Tempo de caminhada: 7h30

Preços: 

Comida – em torno de 9USD por prato

Água – 3USD

Outras bebidas – 4USD, cerveja 8USD

Net –  cartão de 250MB por 6USD.

Carregar – 8USD por hora

Banho (de balde) – 5USD

Nepal Trekking Everest Base Camp

Nós no Everest Base Camp! Uhu!!!

Dia 9: de Gorak Shep até o Kalapattar e descida para Periche. Nesse dia o pessoal levanta cedinho, entre 4 e 5hs e sobe até o Kalapattar. Eu queria muito, muito ter feito essa parte do passeio, porque de lá se tem uma vista frontal do Everest, que no resto do tempo fica meio que atrás das outras montanhas, a gente só vê um pequeno pico láaaaa longe. Além disso, você vai ver o amanhecer, que deixa as montanhas com cores incríveis. Mas eu não aguentaria 2h30 de subida. Na verdade só uma pessoa do meu grupo foi, fez a subida em 1h30 (!), mas disse que para chegar no pico mesmo foi bem complicado, pois tinha muita neve e gelo, e estava todo mundo engatinhando, ajudando uns aos outros, meio tenso, num frio de -6C. Mas ele disse que realmente a vista foi incrível e que o clima de amizade e de superação lá em cima chegou a ser mais impressionante que no Base Camp. Invejei muito, vou ter que voltar um dia para fazer isso.

Depois que eles voltaram, saímos rumo à Periche. É uma descidona e depois uma retona num cenário de pedras, algumas casinhas e yaks. Parecia um trecho de Senhor dos Anéis. Caminhamos mais ou menos 5hs e só o fato de descermos quase 1000m já ajuda bastante a melhorar os sintomas do mal de altitude. Tivemos a tarde livre e todos tomaram um bom banho a gás!  A noite tinha uma tv no restaurante e foi engraçado, todo mundo assistindo luta livre!

Uma observação: uma alternativa é chegar em Gorakshep e subir o Kallapattar para o pôr-do-sol. Dizem que é igualmente lindo e bem menos frio que de manhã. No dia seguinte, ir até o Base Camp e voltar para Periche. Porém, como é um pouco puxada a subida do Kalapattar, é comum que as pessoas não aguente fazer o Base Camp no dia seguinte…

Altitude: Kala Pattar – 5500m e Periche – 4240m

Tempo de caminhada: 5hs (sem Kala) e 7h30 (com Kala)

Preços: 

Comida – em torno de 6USD por prato

Água – 3USD

Outras bebidas – 5USD

Net –  cartão de 250MB por 6USD.

Carregar – 6USD por hora

Banho (se não tiver no lodge) – 5USD

Nepal Trekking Everest

Amanhacer no Kala Pattar. Foto do Damien, único do meu grupo que aguentou a subida!

Dia 10: de Periche até Namche Bazaar. Essa descidona é puxada. São entre 6hs e 7hs de caminhada. Praticamente 2 dias e meio da vinda num dia só. A primeira parte é de 4hs até Tingboche. A gente esquece que subiu tanto e a descida é difícil também, pois força muito os joelhos e tem que prestar bastante atenção nas pedras para não tropeçar nem escorregar.

Voltamos a ver floresta e rios.

Depois do almoço todos ficam bem cansados e tem que encarar subidas, descidas e curvas sem fim. Sério, parece que nunca vai chegar. A chegada em Namche é uma alegria! Você sente uma sensação de missão cumprida, sabe que daqui para frente tudo será mais fácil, a altitude já não pesa, a comida é mais gostosa, enfim. Quando chegamos a cidade estava toda animada, as crianças saindo da escola, um clima bem legal. Jantamos cedo para liberar os guias para o descanso e depois do banho fomos para o Irish Pub comemorar. Bom, eu não aguentei nada, estava muito cansada. Tomei umas 2 cervejinhas e fui dormir.

Altitude: Namche Bazaar – 3440m.

Tempo de caminhada: 7hs

Preços: 

Comida – em torno de 5USD por prato

Água – 1USD

Outras bebidas – 1,50USD, cerveja 6USD

Net – 5 USD (grátis nos cafés)

Carregar – 5USD por hora (grátis no lodge)

Banho (se não tiver no lodge) – 5USD

Nepal Everest

Voltando tranquila e feliz!

Dia 11: de Namche Bazaar até Lukla. Nesse dia, mais 6hs de caminhada. A caminhada é fácil, com apenas um trecho chato de descida, mas é longa, tipo sem fim.

Como o guia disse que esse dia era tranquilo, a gente foi andando mais devagar, curtindo a paisagem, tirando fotos, mas depois do almoço percebemos que faltava muito e tivemos que retomar o ritmo. Choveu e as 2hs finais foram meio chatinhas.

À noite jantamos com nossos guia e carregadores e uns foram celebrar, porque Lukla tem vários bares e todo mundo está voltando super super feliz, mas estava chovendo, mega frio e nós estávamos bem cansados. Deixamos a comemoração para Kathmandu.

Tem que dormir esse dia em Lukla, pois os vôos são bem cedinho.

Nosso lodge era o Paradise, do lado do aeroporto. Simplesmente levantamos e já estávamos dentro da área de embarque.

Altitude: Lukla – 2840m 

Tempo de caminhada: 7hs

Preços: 

Comida – em torno de 4USD por prato

Água – 1USD

Outras bebidas – 1,50USD, cerveja 4USD

Net – grátis na maioria dos lugares

Carregar – grátis na maioria dos lugares

Nepal Everest

Rios, cachoeiras, montanhas nevadas… que visual!

Sobre os guias e carregadores.

Um ponto importante, se você vai fazer com agência, guia ou independente é o tratamento dos guias e, principalmente, dos carregadores.

Embora os carregadores sejam essenciais, eu me senti mal por usar esse serviço. Gostaria muito de ser capaz de carregar minhas coisas, quem sabe um dia.

No nosso caso eram uns garotos super novos e eles levavam uns 30/40kg cada. Eles garantem que estão acostumados, que fazem isso desde criança, que não sentem a altitude e tal, mas ainda assim, me dava um aperto no coração, afinal, eu não gostaria de estar no lugar deles.

E não apenas pelo peso.

Como em toda organização, a vida dos guias e carregadores também tem uma hierarquia. Os guias em geral tem um tratamento melhor nos lodges e dormem em quartos melhores. Acho importantíssimo se preocupar com isso. Vimos carregadores dormindo nos corredores dos lodges e em alguns lugares eles dormem “em outro alojamento”, que só Deus sabe como é.  Alguns lodges tem até placas informando que tratam a todos da mesma maneira! Bizarro. Bizarro no sentido de em 2017 ser a igualdade uma “qualidade” ou um “aviso” aos que vivem presos ao passado.

Então sugiro que você questione a agência se todos que vão com você tem seguro, se todos recebem pelo menos 3 refeições diárias, se todos tem local adequado para dormir e garanta também essas condições caso vá com um guia ou carregador independentes.

No final, eles aguardam uma gorjeta. É comum que essa gorjeta seja em torno de 15% do que você gastou no total ou, como me indicaram e achei mais fácil, em torno de 100USD para o guia e 50USD para o carregador. Se você tiver condições e gostar do trabalho ou simplesmente gostar deles, dê mais. É uma vida difícil, vivida em curtas temporadas de oportunidade de ganhar algum dinheiro.

Nós estivemos lá em 2017 e várias pessoas nos contaram que desde o terremoto em abril de 2015 essa era a primeira temporada cheia. Eles passaram 3 temporadas inteiras sem ganhar nada, onde quase tudo gira em torno dos trekkings! Dá para imaginar? Sem falar na destruição, nas reconstruções…

Nós vimos também alguns grupos comprando roupas e dando para os guias/carregadores. Achei simpático e me senti mal também por não ter pensado nisso. Nossos carregadores passaram todos os dias com as mesmas roupas e tênis simples, calça jeans, moletom. Gente, e nós ali com botas especiais, mil camadas de roupas e casacos! Ok que eles vivam de forma mais simples e adaptada às condições da montanha, mas ainda assim, porque não ajudar a torná-la mais fácil?

Esse foi o único ponto do trekking que me deixou com um nó na garganta. Na hora da despedida, chorei, claro, mas escondi porque no nosso grupo de ingleses acho que ninguém nem entenderia. Só voltei desejando o melhor para a vida deles, que os caminhos se abram e eles sejam felizes.

Nepal Everest

Último jantar juntos!

Siga o chamado da montanha!!!! =D

Curtiu o post? Salve no Pinterest e Compartilhe!

Nepal Everest

Está empolgado para fazer o trekking para o Everest Base Camp no Nepal? Então comece a planejar e não esqueça das nossas dicas de como fazer, como contratar agência, guia ou fazer independente, tudo o que levar, onde comprar e como economizar, qual seguro contratar para o trekking para o Everest Base Camp e nossas dicas para evitar o mal da montanha e outras doenças. Tenho certeza de que vai ser sensacional!!!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Altier Moulin disse:

    Deve ser uma experiência indescritíivel! muito legal!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: