E o futebol?

Eu não sou fanática por futebol.

Gosto, mas só acompanho como anda meu time e só assisto jogo por um acaso do destino ou quando acho que realmente vai ser bacana. Em geral canso se não acontece nada nos primeiros 20 minutos e disperso a atenção.

Detesto torcedor fanático com a irritante mania de falar sobre futebol assim que identifica outro fanático, seja pelo mesmo time ou não.

Detesto mais ainda quando o outro não é um fanático identificado, é um ilustre desconhecido com quem o fanático tem que puxar conversa. Sorte se for fanático, rapidamente o desconhecido passará a amigo. Se for fanático pelo mesmo time: amigo de infância, se for por outro time: amigo de infância que será para sempre provocado. Se não gostar de futebol, sinto muito, não é de confiança. Pelo menos não para uma conversa. Mas o desconhecido também pode ser mais chato que o fanático. Nada pior que esses caras que comem enciclopédia esportiva para vomitar informação. Quer dizer, é pior quando o cara fala como se tivesse comido a enciclopédia, quando na verdade só comeu o jornal da semana passada e consegue falar ainda mais bobagem.

Mas admito que eles estão por toda a parte. E que tem um lado interessante.

Adoro torcida. Aquela que canta, que vibra, que faz o papel do 12, que faz você querer torcer junto até quando não é seu time, que faz você chorar quando é pelo seu time…

Só que gosto assim, leve, que depois passa, que segue em frente, que não enche o saco. Copa do Mundo é uma delícia, só de 4 em 4 anos, todo mundo junto. Já trabalhou no centro de São Paulo e saiu no meio do expediente para assistir um jogo do Brasil? É de mexer com os sentimentos mesmo, todo mundo surtado, correndo, nas mesmas cores, nas mesmas buzinas, rico, pobre, patrão, empregado, velho, novo, todo mundo acreditando num pessoalzinho sortudo que forma a seleção. Adoro.

E ainda acho um interessantíssimo caso de estudo antropológico. Já viu torcedor bêbado o que é capaz de fazer? E torcedor com os filhos? E como eles se organizam direitinho??? Confesso também que presto mais atenção neles do que nos jogos quando vou à um estádio (e já observei que o mesmo acontece com os fanáticos puxadores da torcido, já reparou? Tem uns que ficam até de costas pro campo! O jogo todo! Sei lá.).

Bombonera

A primeira visita!

Eu tenho um torcedor fanático, sequer torcemos para o mesmo time mas, seguindo um acordo de convivência muito simples, tudo nos conformes. E não é só fanático pelo time dele, é fanático por futebol do bom. E não é só. Ele é meu companheiríssimo de viagens e aprendi muito com ele.

Um dia viajamos junto com outras 3 não fanáticas e ele quis visitar um estádio. Confabulamos na possibilidade de não ir e o esperarmos fazendo alguma coisa de menina já que 1) não éramos fanáticas, 2) não tínhamos nada a ver com aquele time e 3) a visita era paga. Mas achei que tinha que fazer o papel de companheira e disse que ia. Como ele já tinha sido um guerreiro acompanhando o momento “compras” as outras também ressolveram ser.

E não é que foi bacana? Subimos, descemos, andamos, visitamos o museu, temos foto com troféus de algum campeonato que nem sabemos qual é, sentamos no lugar dos torcedores cativos, passamos frio e, esquisitíssimo, desenvolvi o hábito de visitar estádios por ai.

Saber um pouco do futebol local é saber mais sobre cultura, é conhecer a história da cidade e ainda pode salvar de algumas encrencas.

Este espaço é para falar de futebol como esporte, sem qualquer intenção de ressaltar ou explicar algum time e sem qualquer conhecimento profundo, apenas para ajudar os interessados a encontrarem seus próprios caminhos, compartilhando informações e idéias com quem ama viajar, ama futebol, ama alguém que ama viajar, ama alguém que ama futebol ou simplesmente ama, sem jamais esquecer os acompanhantes que preferem fazer outras coisas. Por incrível que pareça, há muita atividade em torno dos estádios!

Saia explorando por ai também!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: