Expressinha – Sintra

Sintra está coladinha com Lisboa. O trem,  que demora cerca de 30m, sai com bastante frequência da estação Rossio, no centro de Lisboa. Há ônibus  de Cascais e Estoril também. De carro , pegue um GPS, mas se não der, pegue a IC19 sempre em frente.

 

 

O Hostel Nice Way Sintra Palace  é bom e tem um staff super simpático. A Casa de Hóspedes Dona Parreirinha  é simples, mas tem tudo que é preciso para uma ou duas noites, é barata e fica do lado da estação, facilitando a volta. Ainda próximo a estação e sem acabar com o seu orçamento fica o Sintra Bliss House, novinho, moderninho, lindinho e com pessoal simpaticíssimo .

 

 

A comida em Sintra é boa só por ser portuguesa. Tem os travesseiros e queijadinhas típicos  da cidade e que devem ser provados. No centro histórico há vários restaurantes, bem turísticos . No Bristol, o menu completo é gostoso e acessível . Fora do miolo da vila há cafés e restaurantes bons e mais tranquilos.

 

 

O lugar imperdível de Sintra é a Quinta da Regaleira  e seus mistérios, caminhos subterrâneos, passagens secretas e símbolos malucos.

 

 

Sintra não pode ser conhecida em um dia. Se não der para ficar mais, pelo menos chegue bem cedo e programe bem o que quer ver, de prefência deixando as cidades vizinhas para outro dia. Além disso, visite o Museu do Brinquedo,  eu garanto, encanta mais os adultos do que as crianças e tem interessantes coleções.

 

 

Influência árabe, moura, manuelina, gótica, romântica, maçon, esotérica . Quer mais multicultural? A cidade ainda tem galerias de arte e museus para todos os gostos e estilos e abriga um dos principais museus de arte moderna do país.

 

 

Artesanato, azulejos, bugigangas, vinhos, as compras de sempre . E não esqueça os doces, travesseiro e queijadinha são típicos da cidade!

 

 

Pisou em Sintra já está na natureza. A serra é encantadora e mágica . Se quiser fazer caminhadas, trilhas, sentar numas pedras, meditar, pode escolher qualquer parque ou apenas dar uns passos além do centro histórico. Para quem gosta de mais aventura: pratica-se rapel em rocha, inclusive a noite.

 

 

Há vários miradouros na cidade, mas muitos deles são acessíveis a pé e por trilhas e a volta no escuro pode ser complicada, então acho melhor ver o pôr-do-sol lá do Castelo dos Mouros , com sua vista panorâmica. Atenção apenas ao horário de funcionamento, em especial no inverno, quando tudo fecha mais cedo.

 

 

A noite em Sintra é meio parada, pelo menos no centro histórico. Não fui ver, mas reza a lenda que o Moinho D. Quixote, que fica na encosta da serra, já em Colares, é interessante.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: